11 de mai de 2011

TEMPO PARA VIVER

   Uma das apostas diárias do aperfeiçoamento tecnológico é a otimização dos trabalhos para que se tenha mais tempo. Por exemplo, através do e-mail uma carta que seria lida dentro de semanas pode ser lida em apenas alguns segundos. Num simples pen drive bibliotecas inteiras podem ser armazenadas. Há quem diga que a tecnologia, em todas as suas formas, veio para minimizar a distância. Se soubermos aproveitá-la poderemos ganhar muito tempo, contudo, nessa tentativa um prejuízo tem sido visível e devastador na vida de muitas pessoas: a impessoalidade.
   Muitos acham que estão conectados com o futuro, mas não percebem que se tornaram viciados em tecnologia. Conheço famílias que possuem 4 computadores em casa. Até aqui nenhum problema aparente. O agravante é que a sua convivência se dá através de salas de bate-papo e e-mail muitas vezes. Outras permitem que a televisão ou o rádio sejam os moderadores familiares quando todos estão reunidos. Mais e mais, a falta de maturidade no uso da tecnologia disponível tem moldado a vida de crianças, jovens e adultos a tornarem-se doentes mentais negligenciando o sono e a alimentação, além de perderem completamente a noção do tempo. Na busca de descobrir mais tempo disponível a humanidade tem encontrado menos tempo para viver.
   Viver implica em relacionar-se, em conhecer o outro e isso requer investimento de tempo. Partindo desta premissa muitos têm apenas existido. Se perguntarmos a uma criança de 5 anos o que é um "MP10" prontamente ela responderá: "É um aparelho cujo diferencial dos demais é o GPS integrado, além de fazer ligações com a possibilidade do uso de dois chips de operadoras diferentes, ouvir rádios e músicas, assistir vídeos e TV digital, navegar pela internet e possuir a tela sensível ao toque, entre outras coisas mais". Conhecemos quase tudo daquilo que é trivial à existência e os seus mínimos detalhes, mas quase nada conhecemos dAquele que é essencial à vida presente e futura. Todos corremos o risco de transferir para a vida espiritual a impessoalidade que adquirimos cada dia em nossa vida pessoal. Talvez, muitas pessoas lembrem-se de uma máquina de datilografar ou de um mimeógrafo, mas não lembram-se de Deus porque nunca O conheceram. Muito tempo é disponibilizado na luta e corrida por coisas terrenas, temporais, mas quase nenhum tempo é investido em Deus, na comunhão com Ele, na arte de conhecê-lo e no prazer de desfrutar Suas bênçãos. Corre-se o risco de envelhecer cada vez mais sem conhecer e conviver com o Criador.
   "É intuito do Pai celestial preservar entre os homens, mediante a observância do Sábado, o conhecimento de Si mesmo. Seu desejo é que o Sábado nos aponte a Ele como o único Deus verdadeiro, e pelo conhecimento dEle possamos ter vida e paz" (Ellen White, Testemunhos Seletos, vol. 3,p. 16).
   O Sábado é uma oportunidade que Deus nos dá de conhecê-Lo melhor, de entronizá-Lo em nosso coração como o único e soberano Deus. Oportunidade semanal de desfrutarmos de uma vida abençoada e regada de paz. Simplesmente o que precisamos é de pessoalidade com o nosso Deus, de relacionamento e tempo.
   Ao olhar a vida do rei Salomão, tudo o que fez e quais foram suas prioridades, entendemos também que segundo Eclesiastes 3:2-8 deve haver tempo equilibrado para todas as coisas: tempo para a vida particular, tempo para o lazer, tempo para o próximo, tempo para o tempo. O Espírito Santo deseja que entendamos que o ensino de Salomão é para o povo de Deus em todas as épocas e lugares. O Seu ensino é para você e eu.
   Precisamos do tempo para viver, necessitamos do Sábado. Precisamos de descanso, necessitamos da paz celeste. Precisamos das horas do Dia Santo, necessitamos das bênçãos divinas. Precisamos de vida plena, necessitamos de Deus.
   Especialmente hoje, viva! Viva em Deus! Invista o seu tempo para viver! Vida plena, vida abundante!